Pular para o conteúdo

[vc_row fullwidth=”has-fullwidth-column”][vc_column][vc_column_text]Por Betina Mantoan

Durante a manhã do último sábado (15), os alunos do Ensino Fundamental 2 e Médio estiveram na Escola para refletirem sobre ações antirracistas que buscam uma equidade racial de modo mais efetivo em toda a sociedade. 

O sábado letivo começou no Ginásio da ECC, com apresentação do Diretor Pedagógico, Marcos Marcio, e dos coordenadores de curso, Edson Souza e Sandra Quatorze. Eles falaram do início do Coletivo Antirracista na ECC e da criação do Grupo Guardião.

Equidade Racial na ECC

Ao final de 2020, surgiu na ECC o Coletivo Antirracista, grupo formado por mães, pais, funcionários e estudantes, responsáveis por discutir e provocar todas as instâncias da Escola a olhar e pensar sobre uma educação antirracista.

A partir do Coletivo Antirracista foi criado na Escola o Grupo Guardião, responsável pelas ações institucionais ligadas a pauta do antirracismo.

O encontro

Ao longo das semanas que antecederam ao encontro, os alunos puderam conhecer as propostas das 13 oficinas oferecidas durante o dia. Durante as aulas de Orientação Educacional, eles se inscreveram para três delas, dentre:

  • Literatura Negro-Brasileira juvenil – Plínio Camillo do Notas de Escurecimento.
  • Cinema – Animações Africanas Gaby Coppola.
  • O olhar de um estrangeiro negro vivendo no Brasil e suas experiências – Núcleo de Inglês e Espanhol.
  • Matemática pela equidade: explorando soluções para a desigualdade racial – Núcleo de Matemática.
  • Desvendando outras matemáticas (possíveis): um mergulho lúdico pela matemática não eurocêntrica. – Núcleo de Matemática.
  • Street Dance – Negresco – professor Extracurricular.
  • História e Cultura negra em Campinas – Prof. Ms. Guilherme Oliveira, do Rotas Afro.
  • Capoeira e Instrumentos afrodescendentes – David Rosa – Ibaô.
  • A importância da diversidade na Ciência – Ingrid Barcelos – pesquisadora Sirius – Mediação Núcleo de Ciências da Natureza.
  • Voz Ativa: perspectivas racistas e antirracistas na música popular brasileira – Núcleo de Língua Portuguesa e Artes.
  • Combate ao racismo ambiental – reflexões sobre a segregação socioespacial a partir da visão do geógrafo Milton Santos – Núcleo de Geografia.
  • Máscaras Africanas – Núcleo de Artes.
  • Corpos Luz – contornos para uma reflexão antirracista – Núcleo de Artes.

Cerca de 100 alunos participaram do evento e tiveram a oportunidade de experimentar essas oficinas.

Para a diversão dos alunos, o sábado letivo também contou com a apresentação de uma banda formada por alguns alunos e pelo professor de Química, Rodolfo Tasca, e com a distribuição de sorvetes e pipoca para os estudantes.

Aproveitamos para entrevistar as alunas Carolina de Holanda, Nina Bryan e Victória Levantesi, e o convidado Plínio Camillo. Confira!

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row fullwidth=”has-fullwidth-column”][vc_column][agni_gallery img_caption=”yes” lightbox=”custom-gallery” type=”1″ column=”1″ img_url=”16278,16283,16284,16282,16281,16285,16286,16287,16288,16280″][vc_column_text]📸Ákilla Magalhães[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]