Pular para o conteúdo

Por Milena Policastro

Uma das formas de ajudar os alunos e alunas a construírem significados com relação a conceitos matemáticos é envolvê-los em contextos nos quais eles podem experimentar na prática as aplicações desses conceitos. 

Na última semana, alguns alunos e alunas do 9º ano estiveram envolvidos com resolução das questões da prova da 1ª fase das Olimpíadas de Matemática da Unicamp (a OMU, como é mais conhecida). 

Nesta edição da OMU, os estudantes se organizaram em equipes de três integrantes para competirem com outras equipes do nível alfa (destinado a alunos e alunas  de 8ºs e 9ºs anos).

Durante a semana toda, as cinco questões propostas na prova foram discutidas detalhadamente entre os membros de cada equipe, que deveriam produzir uma redação para cada questão, explicitando os processos encaminhados para a sua resolução, além de apresentarem todos os cálculos envolvidos. 

Uma das questões propostas na prova articula conceitos de Matemática, particularmente da área de Geometria, e de Física, pois abordava o conceito de centro de massa de uma peça irregular. 

Quando a equipe EC² procurou a sua orientadora para obter um auxílio na interpretação da proposta da questão, a professora Milena logo sugeriu que os alunos deveriam se dirigir ao Laboratório Maker para que pudessem reproduzir ali um protótipo da peça irregular mencionada na questão e, assim, de forma experimental, pudessem compreender o conceito de centro de massa e, consequentemente determinar a posição deste ponto no interior da peça, conforme solicitava a questão da prova. 

Assim, os(as) alunos(as) dirigiram-se ao Laboratório Maker e lá o Kaique, coordenador do espaço, conduziu o experimento com os três integrantes da equipe, que puderam compreender de forma concreta o conceito de centro de massa de uma peça irregular e, consequentemente, conseguiram, de forma criativa, encontrar uma resolução para o problema proposto. 

Segundo depoimento dos próprios alunos, “sem esse experimento, seria praticamente impossível para nós descobrirmos a localização do centro de massa da peça. Mas, com essa vivência, ficou muito fácil entender e encontrar o tal ponto.” 

[agni_gallery img_caption=”yes” lightbox=”custom-gallery” type=”1″ column=”1″ gallery_autoplay_timeout=”3000″ img_url=”11507,11509,11508,11506,11505,11504″]